Artigos - Zoonoses: você sabe o que é e como proteger seu cão e sua família?

02 mai 2016

Zoonoses: você sabe o que é e como proteger seu cão e sua família?

Segundo definição estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), zoonoses são doenças ou infecções transmissíveis entre animais vertebrados e seres humanos.

Os cães e gatos encontram-se envolvidos na transmissão de importantes zoonoses. Alguns vermes que acometem os cães podem ocasionar nos humanos infecções de grande importância e alta incidência, como por exemplo, a doença popularmente conhecida como “bicho geográfico” (Larva migrans cutânea) e a Larva migrans visceral.

O “bicho geográfico” ou Larva migrans cutânea é uma enfermidade encontrada no mundo todo, mas relatada com maior frequência em países de clima tropical e subtropical. Os cães são os principais hospedeiros do Ancylostoma caninum, parasita interno que causa esta doença.

Nos humanos, a infecção acontece através da pele em contato com solos contaminados. Os cães eliminam os ovos deste verme através das fezes, por este motivo a infecção é mais comum em pessoas que frequentam praias e terrenos arenosos, já que as condições do solo, umidade e calor favorecem o desenvolvimento das larvas infectantes.

Ao entrar em contato com a pele das pessoas, as larvas de Ancylostoma perfuram-na e ali se alojam. Poucos dias após a infecção forma-se no local de penetração uma lesão avermelhada, de coceira intensa que se assemelha a picada de um inseto. As larvas tendem a caminhar embaixo da pele formando galerias microscópicas. Nas pessoas o “bicho geográfico” é geralmente observado nas regiões dos pés, pernas e nádegas, ou seja, em áreas mais expostas ao solo.

Toxocara canis é outro verme muito frequente nos cães e suas larvas também podem infectar os seres humanos causando uma doença chamada Larva migrans visceral. As pessoas se contaminam com esta doença através do contato com fezes contaminadas com ovos, seja direta ou indiretamente, através de falta de higiene nas mãos e nos alimentos.

Diferente do “bicho geográfico”, as larvas de Toxocara migram do intestino para diversos órgãos como coração e pulmões e através deles atingem a corrente sanguínea de onde se distribuem para todo o corpo. Nos pacientes acometidos, além de alterações em células sanguíneas, pode ocorrer o aparecimento de febre, aumento de órgãos como o fígado, além de alterações cardíacas e pulmonares.

De modo geral, as verminoses nos cães acarretam sintomas como vômito, diarreia, anorexia, retardo no crescimento e perda de peso. Nos animais infectados por Toxocara canis outros sintomas também podem ser observados como: desconforto abdominal, distensão abdominal, tosse e respiração acelerada. Além do mais, o sistema imunológico se torna debilitado predispondo os cães, principalmente os mais jovens, à outras doenças.

A identificação destes parasitas nos cães é feita através de exames de fezes e algumas vezes, mesmo aparentando estar sadio, o animal pode estar contaminado. Consultas e exames rotineiros devem fazer parte da rotina de seu melhor amigo.

A prevenção destas duas doenças é baseada na manutenção de boas condições de saúde dos cães, para isto é fundamental a realização de programas periódicos de vermifugação e a execução de controles regulares através de exames. Tais medidas auxiliam na redução da contaminação ambiental.  Os cães podem frequentar ambientes como praças e praias, mas é sempre importante saber que nestes locais o risco de contaminação é maior devido à maior exposição às fezes de outros animais. O mesmo acontece com as crianças que sempre devem ser supervisionadas nestes lugares, pois podem facilmente colocar as mãos em um solo contaminado e leva-las à boca.

Outras medidas profiláticas e de controle dependem de inciativas públicas e privadas como saneamento básico adequado, controle populacional e cuidados com cães errantes, conscientização da população e profissionais de saúde sobre estes problemas e instituição de programas de educação destinados ao tema.

Os programas periódicos de vermifugação devem ser prescritos pelo médico-veterinário. Faça sua parte, procure um profissional e mantenha sempre seu pet vermifugado.

Mariana Castelhano Diniz

Médica Veterinária e Analista Técnica na Ourofino Saúde Animal

Tags


Deixe o seu comentário