27 mai 2019

Estratégias para o manejo sanitário em confinamento

Resumo do artigo

O manejo sanitário dos animais na entrada do confinamento e a ronda sanitária são ações fundamentais para redução dos riscos de mortes e aumento da produtividade.

Todo confinamento procura a máxima eficiência financeira, sanitária e nutricional no menor tempo estático possível até a data do abate. Reduzir desperdícios e custos desnecessários, diminuir o número de manejos e movimentação dos animais são fundamentais na gestão de riscos. Manter a equipe capacitada através de treinamentos e reciclagens periódicas contribui para obtenção dos melhores resultados sanitários e operacionais. Gerenciar os apontamentos sanitários da entrada dos animais até o abate (incluindo o monitoramento dos índices de cisticercose) auxilia nas estratégias de controle das enfermidades garantindo maior eficácia, segurança clínica e alimentar para a carne produzida na ponta da cadeia (“sem resíduos”), sendo estes os principais ideais técnicos de um confinamento moderno ou pecuária de precisão.

Alguns fatores são decisivos na hora de definir o manejo sanitário de um confinamento. A composição dos lotes de animais que serão confinados podem ter três origens básicas:

  1. Animais crioulos (criados na própria fazenda onde serão confinados): condições sanitárias e nutricionais conhecidas. Não necessita de reforço da vacina contra clostridioses;
  2. Animais comprados na desmama para recria a pasto e posteriormente confinamento próprio: condições sanitárias e nutricionais desconhecidas, mas possíveis de serem padronizadas em 60 dias. Não necessita de reforço da vacina contra clostridioses
  3. Animais de compras (compondo múltiplas origens): condições sanitárias e nutricionais desconhecidas que precisam ser padronizadas rapidamente e serão desafiadas dentro do confinamento. Há necessidade de reforço da vacina contra clostridioses (30 dias após a primeira dose).

De acordo com a origem dos animais, cada sistema acima passou por diferentes condições de: desafio sanitário, manejos (operacionais, nutricionais, sanitários e manejo) sendo que o grande entrave é a padronização na entrada do confinamento. Na entrada dos animais há uma oportunidade de equalizar o gado, mas muitas vezes essa prática não será suficiente, surgindo nas três primeiras semanas de confinamento as primeiras evidências de diferenças:

  1. Animais sadios x machucados ou doentes
  2. Animais livres de parasitas internos x animais parasitados
  3. Animais livres de parasitas externos x animais com carrapatos
  4. Animais adaptados se alimentando x animais não adaptados refugando o cocho
  5. Animais livres de cisticercose x animais com cisticercose oculta
  6. Animais com enfermidades: pneumonias, pododermatites, clostridioses, polioencefalomalácia e desordens digestivas ou metabólicas (acidose, timpanismo etc.).

Para entender melhor as estratégias sanitárias, este artigo aborda diferentes protocolos de entrada e os principais desafios durante o período estático dos animais até o abate, conforme o diagrama abaixo.

Protocolos de entrada:

 

Obs: Lotes de animais sem histórico de vacinações ou com histórico de vacinação duvidoso necessitam de reforço vacinal contra clostridioses e devem receber um reforço vacinal com Ourovac Poli BT, 30 dias após a primeira dose no manejo de entrada.

Em alguns confinamentos, é possível observar altas infestações de carrapatos nos animais no dia do manejo de chegada, nestes casos é importante a aplicação do Colosso Pour On. Animais parasitados podem desenvolver anemia ou tristeza parasitária e virem a óbito em 3 dias, além do atraso no ganho de peso que pode ser superior a 4kg.

 

A ronda sanitária é maneira mais segura e economicamente viável para detecção de animais não adaptados e doentes. Através dela é possível monitorar os lotes diariamente e identificar animais doentes (pneumonias, pododermatites, clostridioses, polioencefalomalacia etc) ou sodomizados rapidamente e assim decidir sobre o tratamento e manejos adequados enquanto o animal tem condições de se recuperar, se alimentar e voltar a ganhar peso.

O tratamento da Doença Respiratória Bovina – DRB (Pneumonia) deve ser realizado com Resolutor, um potente antibiótico com alta eficácia, sendo capaz de curar a infecção com dose única. Animais tratados com Resolutor ficam livres da infecção e voltam a se alimentar rapidamente, ganhando mais peso. O tratamento da DRB pode associar o Resolutor ao Maxicam 2% injetável garantindo ainda maior bem-estar ao animal tratado, livre de dor e inflamação.

 

Atualmente os custos sanitários representam aproximadamente 0,83% do custo total, sendo a taxa de animais que adoecem num confinamento é estimada em 5% e a mortalidade média na ordem de 0,5%. A taxa de mortalidade em um confinamento que realiza ronda sanitária periódica é de 0,1% (redução de 80%), aproximadamente. O custo sanitário é mais baixo para um confinamento de 1.000 bois no sistema tradicional, sem ronda sanitária, sem capacitação da equipe e com baixa adoção de tecnologia, mas reflete em maior taxa de mortalidade dos animais, atraso no ganho de peso e baixo desempenho dos animais, conforme a tabela abaixo:

 

Ingo Mello e Lucas Marques

Gerente Técnico Saúde Animal e Analista Técnico Saúde Animal

Tags


Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba nossa newsletter.


Deixe o seu comentário