Artigos - Controle estratégico da verminose

11 out 2016

Controle estratégico da verminose

Atualmente, tratando-se do controle de verminoses dos bovinos, existem duas linhas principais de pensamento denominadas “Controle Seletivo” e “Tratamento Estratégico”. A primeira leva em consideração alguns critérios para a realização do tratamento, como a carga parasitária (estimada pela contagem de ovos de nematódeos por grama de fezes - OPG), escore corporal dos animais ou mesmo os níveis de produtividade (MOLENTO et al., 2011). A segunda considera as características ambientais como o clima, a umidade e a temperatura. Esse é o modelo de tratamento mais utilizado no Brasil e já vem sendo estudado há anos, principalmente pelos Centros de Pesquisa de Gado de Corte do Mato Grosso do Sul e do Rio Grande do Sul (BIANCHIN et al., 1996; HECKLER et al., 2016).

As duas formas de tratamento são muito eficientes, porém existem pontos importantes que devem ser destacados. No Controle Seletivo, apenas os animais com carga parasitária acima do limite recebem o tratamento, tendo como vantagem, portanto, a preservação da vida útil do medicamento, bem como a refugia (parcela da população de parasitos que não são expostos ao princípio ativo). Em contrapartida, esse tipo de estratégia requer algumas exigências, que envolvem desde a avaliação do escore corporal do animal até a realização de exames laboratoriais, fatores que podem tornar difícil a adesão desse controle por propriedades que possuem grandes rebanhos (MOLENTO et al., 2011).

No modelo de Controle Parasitário Estratégico, todo rebanho recebe o tratamento, e este por sua vez é realizado de acordo com as características ambientais já descritas, além do ciclo biológico e a epidemiologia dos parasitos. Os estudos de Bianchin (1991) já demonstravam que na época mais seca do ano, a proporção de vermes era maior nos animais, do que as larvas na pastagem. Mas, na época das chuvas essa relação se inverte. Com base nesse estudo epidemiológico chegou-se à conclusão de que realizar o tratamento na época seca poderia ser favorável para controlar as infecções nos animais e as infestações ambientais (BIANCHIN et al., 1996).

No cenário brasileiro, devido ao manejo das propriedades rurais e ao tamanho dos rebanhos de gado de corte, além da aceitação por parte do produtor, o manejo de controle de verminose é o tratamento estratégico mais realizado. Com base nessas informações, o departamento Técnico da Ourofino Saúde Animal testou um modelo de tratamento estratégico em bovinos na fase de recria. Foram realizadas três desverminações no ano: ivermectina 4% em maio, ivermectina 0,8% e sulfóxido de albendazole 10% (Evol® - Ourofino Saúde Animal) em agosto e novamente ivermectina 4% (ONIZUKA et al., 2016) em novembro.

Os resultados desse modelo de desverminação estratégica foram muito satisfatórios, pois ao mesmo tempo em que reduziu a carga parasitária dos animais, o tratamento também levou a uma excelente melhora no ganho de peso. Após todas as análises dos resultados, chegou-se a conclusão de que os três tratamentos proporcionaram ao rebanho a sanidade ideal em relação aos problemas de verminoses bovina.

Referências bibliográficas

BIANCHIN, I. Epidemiologia e controle de helmintos gastrintestinais em bezerros a partir da desmama, em pastagem melhorada, em clima tropical do Brasil. 1991. 191 f. Tese (Doutorado em Medicina Veterinária)[Tese]. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 1991.

BIANCHIN, I., ; HONER, M. R.,; NUNES, S. G.,; NASCIMENTO, Y. A.,; CURVO, J. B. E,.; COSTA, F. P. Epidemiologia dos nematódeos gastrintestinais em bovinos de corte nos cerrados e o controle estratégico no Brasil Campo Grande – MS, Brasil [Circular Técnica]. Campo Grande: Embrapa Gado de corte:; 1996. (Circular Técnica).

HECKLER, R. P.; BORGES, D. G. L.; VIEIRA, M. C.; CONDE, M. H.; GREEN, M.; AMORIM, M. L.; ECHEVERRIA, J. T.; OLIVEIRA, T. L.; MORO, E.; VAN ONSELEN, V. J.; BORGES, F. A. New approach for the strategic control of gastrointestinal nematodes in grazed beef cattle during the growing phase in central Brazil. Vet Parasitol., v. 221, p. 123-129, 2016.

MOLENTO, M. B.; FORTES, F. S.; PONDELEX, D. A. S.; BORGES, F. A.; CHAGAS, A. C. S.; TORRES-ACOSTA, J. F. J. GELDHOT, P. Challenges of nematode control in ruminants: Focus on Latin America. Vet Parasitol. v. 180, p. 126-132. 2011.

ONIZUKA, M. K. V.; MASSARI, P. J.; FREITAS, B. G.; RAMOS,  R. S.; ALBERNAZ, R. M.; FECKINHAUS, M. A.; PINHEIRO, J. G.; MARSON, F. A.; GUERREIRO, B. M.; BASTOS, M. R.; REZENDE, M. L. G. R.; LOPES, W. D. Z. Avaliação da eficácia de três diferentes tratamentos anti-helmínticos estratégicos contra nematódeos gastrintestinais de bovinos naturalmente. In: XIX Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária, 19., 2016, Belém. Anais eletrônicos... Belém: XIX CBPV, 2016. Disponível em:

https://icongresso.itarget.com.br/useradm/anais/?clt=bpv.2&lng=P. Acesso em: 07  out. 2016.

Marcel Onizuka e Gabriela Dalmaso

Departamento Técnico Ourofino Saúde Animal

Tags


Deixe o seu comentário