Sincrogest injetável 4 dias após a IATF (protocolo P4-14) promove aumento na taxa de concepção

18 jul 2016

Sincrogest injetável 4 dias após a IATF (protocolo P4-14) promove aumento na taxa de concepção

Para que ocorra sucesso no estabelecimento de uma gestação é necessário que o embrião se desenvolva corretamente. Nesse contexto, um dos principais hormônios envolvidos no controle da manutenção da gestação é a progesterona (P4), que estimula tanto o crescimento do embrião quanto as secreções endometriais, que são benéficas para o desenvolvimento embrionário (Graham and Clarke, 1997). Ainda, dados na literatura são indicativos de que concentrações insuficientes de progesterona estão associadas ao baixo desenvolvimento embrionário e à falha na prevenção da luteólise, consequentemente acarretando em perda gestacional antes dos 30 dias. Dessa forma, o embrião deve atingir tamanho suficiente para produzir o fator responsável pelo reconhecimento materno-fetal para conseguir sustentar a gestação.

Inúmeros estudos têm avaliado os efeitos da suplementação de progesterona após a IATF na taxa de concepção dos animais. Recentemente, Yan et al. (2016) realizaram uma meta-análise com dados de 53 estudos (19040 vacas de leite e de corte) publicados entre os anos de 1953 e 2014,  envolvendo a suplementação de P4 após inseminação artificial (IA). Esses autores verificaram que vacas tratadas com progesterona após IA apresentaram aumento na chance de estabelecimento gestacional. Entretanto, esse efeito positivo na taxa de concepção foi observado apenas quando a P4 foi administrada entre os dias 3 e 7 após IA e em vacas que apresentavam baixa fertilidade. Esses dados sugerem haver um período ideal para realizar a suplementação de progesterona (de 3 a 7 dias após a IA) e que vacas com fertilidade reduzida são as mais beneficiadas pela técnica.

Dados da literatura indicam que a taxa de prenhez é drasticamente reduzida em vacas que estão em anestro (condição de “dormência” reprodutiva) no início do protocolo de IATF (Wheaton and Lamb, 2007). Na tentativa de melhorar a concepção dessa categoria animal, Pugliesi et al. (2016) avaliaram os efeitos da aplicação de 150 mg (1,0 mL) de Sincrogest injetável (P4 de longa ação), 4 dias após a IATF em vacas paridas da raça Nelore com média de escore de condição corporal (ECC) de 3,3 e em anestro. Os resultados indicaram aumento de 20,0% na taxa de prenhez (Figura 1) de vacas suplementadas com Sincrogest injetável. Assim, esses estudos sugerem que a administração de Sincrogest Ingetável 4 dias após a IATF promove aumento na taxa de prenhez de vacas Nelore em anestro.


 

Figura 1.: Taxa de prenhez 35-40 dias após a IATF. Controle – sem tratamento adicional; P4-14 – aplicação de 1,0 mL de Sincrogest injetável 4 dias após a IATF (Adaptado de Pugliesi et al., 2016)

Ainda, uma série de dados de campo foi analisada (Cova et al., - dados enviados para publicação), na tentativa de se replicar o resultado obtido no estudo de Pugliesi et al. (2016), porém com vacas Nelore paridas com ciclicidade desconhecida no D0 e menor escore de condição corporal (ECC = 2,27). Um total de 422 vacas, oriundas de 2 fazendas comerciais de Rondônia e do Pará receberam um protocolo para IATF e, 4 dias após a IATF (D14), foram aleatoriamente distribuídas em 2 grupos experimentais: Controle (n=230; sem tratamento adicional) ou P4-14 (n=192; administração de 1,0mL de Sincrogest injetável), como demonstrado na Figura 2:


Figura 2.: protocolo de IATF utilizado nos estudos à campo e randomização dos tratamentos no D14 (Controle – sem tratamento adicional; P4-D14 – 1,0mL de Sincrogest injetável)

Os resultados indicaram que a administração de Sincrogest injetável, 4 dias após a IATF, aumentou em 26,7% a taxa de prenhez de vacas da raça Nelore paridas com ciclicidade desconhecida (Figura 3).


Figura 3.: Taxa de prenhez 30 dias após a IATF de acordo com os diferentes tratamentos: Controle – sem tratamento adicional; P4-14 – 1,0mL de Sincrogest injetável 4 dias após a IATF.

Dessa forma, a administração de 1,0 mL de Sincrogest injetável quatro dias após a IATF em vacas Nelore paridas é uma estratégia interessante para aumentar a eficiência reprodutiva das propriedades e, consequentemente, aumentar o retorno econômico para o produtor.

 

 

 

Agradecimentos: J.P. Assessoria Rural (M.V. Marcelo Cova).

 

 

Bruno Gonzalez de Freitas e Roney dos Santos Ramos - Especialistas técnicos em reprodução animal, Bruna Martins Guerreiro - Especialista técnica linha Leite, Michele Ricieri Bastos - Coordenadora departamento técnico Ourofino Saúde Animal

Tags