05 jan 2011

Porque realizar a Transferência de Embrião em Eqüinos

Quando estamos criando cavalos sempre nos deparamos com um dilema, Colocar a égua para criar enquanto ela ainda é jovem, assim aumentando as chances de gerar potros que herdem o potencial atlético da mãe, mas por outro lado interrompendo a campanha esportiva do conjunto. Ou esperar até que a égua fique velha demais para o esporte e “aposentá-la” na reprodução, porém aí diminuindo as possibilidades de uma prenhes bem sucedida devido à idade avançada do animal? Este é um exemplo de dúvida muito comum retirado da vida real e que representa alguns dos casos que pareciam insolúveis há poucos anos. Porém hoje já podem ser resolvidos com resultados muito positivos, graças ao trabalho de médicos veterinários especializados em reprodução eqüina, os quais estabelecem verdadeiras centrais de reprodução, onde este e outros problemas recebem soluções criativas, satisfatórias e numa boa relação custo - beneficio. A biotecnologia da reprodução eqüina ainda está atrasada em relação à da espécie bovina, tanto pelas particularidades da espécie (por exemplo, o sêmen eqüino é muito menos resistente ao congelamento que o bovino) quanto por resistências iniciais da maioria das Associações de Raças. Mas ao mesmo tempo em que os pesquisadores foram descobrindo maneiras de tornar estas técnicas não apenas possíveis, como economicamente viáveis e eficientes, os métodos “artificiais” de reprodução foram sendo aceitos pela maioria das raças de cavalos. A transferência de embriões é uma das soluções mais  praticas que envolve as biotecnologias reprodutivas dos equinos. Por definição é  um método artificial de reprodução onde se retira um embrião do interior do útero de uma égua doadora para levá-lo para o interior de uma égua receptora. A receptora, por sua vez, se encarregará de levar a gestação a termo e assegurar igualmente à lactação.

A princípio, a transferência de embriões visa obter mais de um produto por estação reprodutiva de cada égua. O melhoramento genético dos criatórios, com a obtenção de vários indivíduos oriundos de cruzamentos escolhidos num curto intervalo de tempo, aparece também como uma aplicação óbvia. Material genético desejado, boas condições morfológicas, andamento adequado e produção comprovada surgem como os quesitos mais importantes para a seleção das doadoras. Essas matrizes podem, com a transferência de embriões, dar origem a mais de três produtos em um único ano, ou seja, o triplo da produção normal. Para que o investimento na transferência valha a pena, os produtos gerados por este meio devem ser de cruzamentos comprovados, ou indivíduos de exceção, para que realmente tragam uma melhoria a nível de plantel, seja esse produto macho ou fêmea. Tal técnica em eqüinos vem sendo cada dia mais utilizada pelos profissionais Médicos Veterinários. É uma técnica promissora, que abrange um bom espaço no mercado, por ter boa aceitação por parte dos proprietários de cavalos que são os maiores interessados em possuir mais de um produto por ano de suas éguas. Para que estas técnicas sejam executas de maneira correta e eficiente, são necessárias constantes pesquisas e atualizações na área de biotecnologia e reprodução em eqüinos, pois apesar de muitas serem realizadas de maneira eficiente, alguns procedimentos ainda são estudados e aperfeiçoados a cada dia por novos pesquisadores. 

Luiz Alexandre Lejambre

Coordenador da Linha de Equinos Ourofino