O uso do SincroeCG para aumentar a taxa de prenhez dos protocolos de IATF

13 dez 2017

O uso do SincroeCG para aumentar a taxa de prenhez dos protocolos de IATF

A gonadotrofina coriônica equina (eCG) é um hormônio glicoproteico produzido pelos cálices endometriais de éguas. Por se ligar aos receptores de FSH e LH dos folículos e aos receptores de LH do corpo lúteo, a eCG leva ao maior crescimento do folículo, resultando em maior taxa de ovulação.

Esse mecanismo de ação da eCG promove o aumento da taxa de prenhez da IATF, principalmente em vacas de corte paridas ou com baixo escore de condição corporal (ECC) que, usualmente, apresentam comprometimento na taxa de crescimento final do folículo. Por conta do aumento na taxa de prenhez, atualmente a eCG faz parte dos protocolos de IATF, auxiliando no incremento da produtividade da técnica.

Diante desse cenário, a Ourofino Saúde Animal, como importante parceira dos produtores e técnicos do campo, inseriu no mercado de reprodução em 2011 a sua gonadotrofina coriônica equina: o SincroeCG para completar sua Linha de Reprodução e seguir em busca do aumento das taxas de prenhez dos protocolos de IATF. Diversos trabalhos comparativos a campo realizados nos estados de RO, PA, MT, MS, GO e MG comprovam a eficiência do produto em promover elevada taxa de prenhez nos protocolos de IATF, de maneira semelhante às outras eCGs disponíveis no mercado (Figura 1).

Os testes comparativos de prenhez evidenciam que o uso da eCG nos protocolos de IATF de fêmeas é fundamental para atingir a máxima produtividade. Tais resultados refletem o comprometimento da Ourofino Saúde Animal em buscar sempre o que há de melhor para o pecuarista, com qualidade e eficiência comprovada.

 

Foto: IStock

Bruno Freitas e Bruna Guerreiro, especialistas técnicos em reprodução animal

Tags