Módulo 1: texto 1 - Manejo do botijão de sêmen

06 jun 2015

Módulo 1: texto 1 - Manejo do botijão de sêmen

O botijão de sêmen é um recipiente térmico destinado ao armazenamento e conservação desse material genético. Dentro do botijão, o sêmen é mantido em nitrogênio líquido (N2L), que conserva as doses congeladas a uma temperatura de -196ºC (cento e noventa e seis graus centígrados negativos). O tempo de armazenamento é indeterminado, desde que o mesmo seja abastecido periodicamente para que se mantenha o N2L acima do nível mínimo necessário.

O botijão de sêmen se assemelha a uma garrafa térmica, ou seja, em sua parede há um vácuo, e também folhas de alumínio e lã de vidro, que determinam o isolamento térmico necessário (Figura 1). O interior do botijão é o espaço onde o N2L é depositado e onde ficam situadas as canecas que armazenam as racks (Figura 2); dentro de cada rack se encontram as palhetas de sêmen.

  

Em virtude do valor do botijão e do material genético acondicionado, o mesmo deve ser armazenado e manipulado com o máximo de cuidado, evitando possíveis danos. Para tanto, é aconselhável o uso de caixas de transporte próprias ou que podem ser construídas em madeira, evitando choques (batidas), assim como movimentos bruscos e quedas.

O local de armazenamento deve ser um ambiente ao abrigo de raios solares, ventilado e seco. Ainda, o botijão deve ser fechado apenas com sua própria tampa, ou seja, a mesma nunca deverá ser totalmente vedada impedindo a evaporação do N2L.

O N2L evapora facilmente, devendo o responsável estar atento a esse fato para evitar a perda de sêmen por falta de nitrogênio. Para a aferição periódica do nível de N2L (a cada semana durante os meses de maior uso ou mesmo a cada 15 dias em períodos de estocagem – baixo uso) deve ser utilizada uma régua específica (Figura 3) e o nível de nitrogênio nunca deve estar abaixo de 15cm. 

Com relação ao transporte, o mesmo deve ser realizado com muito cuidado, não podendo ser feito com o botijão solto em carrocerias de veículos. Além disso, ao movimentá-lo deverá ser solicitado o auxílio de outra pessoa para evitar que seja tombado ou sofra movimentos bruscos, danificando a sua estrutura interna.

Ao armazenar as doses de sêmen no botijão, é preciso manter uma identificação dos touros na parte externa das canecas (Figura 4), para facilitar a localização do sêmen e evitar que as canecas e as racks sejam levantadas várias vezes no momento da inseminação. 

Ao identificar o local em que o sêmen se encontra, a caneca deve ser exposta para a retirada da palheta de sêmen. No entanto, a caneca deve ser exposta até no máximo 7 cm abaixo da boca do botijão (Figura 5) para que a temperatura se mantenha e a fertilidade do sêmen seja preservada. Além disso, as palhetas devem retiradas de dentro do botijão sempre com o auxílio de uma pinça para evitar o contato com a mão (Figura 6).

   

Material Complementar:

Equipe Reprodução Animal - Ourofino

Tags