Mastite clínica: apresentação e tratamentos

29 jun 2015

Mastite clínica: apresentação e tratamentos

O atual sistema de produção de leite traz consigo diversas peculiaridades, dentre as quais, a exigência por qualidade e quantidade do produto a ser entregue. Neste ponto uma questão muito crítica é a mastite (inflamação da glândula mamária). Esta enfermidade exige grande atenção do produtor, que deve monitorar de maneira sistemática diariamente.

A mastite é caracterizada por alterações no leite de forma visível e para auxiliar no diagnóstico a caneca de fundo escuro é de fundamental importância, pois nela será facilitada a visualização das alterações, que podem variar desde uma simples presença de grumos até uma consistência de pus na secreção. Se o problema não for tratado de maneira rápida o quadro pode evoluir até a morte do animal, sendo que esta pode ocorrer em um curto espaço de tempo.

Um ponto importante a ser ressaltado é que o comprometimento da produção normalmente se dá em um quarto específico do animal, sendo que na maioria das vezes os outros encontram-se saudáveis. No entanto, isto não é uma regra, pois podemos ter o comprometimento de mais estruturas, dependendo principalmente da higiene e sanidade do processo de produção.


(Fotos: Departamento Técnico Ourofino Saúde Animal)

Neste quesito, o reconhecimento do problema deve ser rápido e preciso para uma maior efetividade e sucesso no tratamento. A mastite pode ser classificada em 3 graus ou formas de apresentação conforme as alterações clínicas perceptíveis:

Grau 1 (forma leve): Consiste em alterações apenas do leite, sendo mais comum a presença de grumos. A quantidade de grumos pode ser variável, desde pequenas quantidades no início da ordenha até presença em toda ordenha do quarto afetado. Por tanto, o tratamento deve ser instituído rapidamente e de maneira efetiva o uso do antibiótico intramamário Ciprolac®, por um período de 5 dias, mesmo os sinais clínicos desaparecendo no transcorrer do protocolo. Pode-se ainda utilizar um anti-inflamatório para melhorar o conforto do animal, para isso o Maxicam 2% é uma excelente opção.

Grau 2 (forma moderada): Este grau consiste em alterações mais severas, onde o comprometimento da glândula já é notado com edema (inchaço), aumento do volume do quarto afetado. Muitas vezes esta apresentação é uma evolução do grau anterior, sendo que pode acometer animais de maneira rápida, não necessariamente apresentar o quadro anterior, isto está muito relacionado à patogenicidade (agressividade) da bactéria envolvida. Para seu tratamento, já se faz necessário a utilização de antibióticos injetáveis como Penfort PPU®, em doses única, a associação com intramamário Ciprolac®, pois a permeabilidade da glândula é muito relevante para as penicilinas, sendo a atuação sobre a parede das bactérias envolvidas, presentes no Penfort PPU. O Ciprolac®, tem sua ação no interior das bactérias diretamente sobre a reprodução das mesmas. Sendo assim, a combinação de Ciprolac® e Penfort PPU® é extremamente potente. Além dos produtos já citados, nestes casos a utilização de anti-inflamatório é necessária, pois necessitamos reduzir o edema, para isso o Maxicam 2% é muito eficiente, a utilização deve ser no mínimo de uma dose, podendo ser necessária sua repetição.

Grau 3 (forma grave): esta apresentação é a mais perigosa, pois a vida do animal se encontra em risco eminente de morte. O sucesso do tratamento muitas vezes depende do momento em que foi instituído o tratamento, já que em questão de poucas horas o animal pode vir a óbito. Isto se deve ao fato, de que na mastite de grau 3 o animal irá apresentar um comprometimento sistêmico (que pode levar a morte) pois existem bactérias presentes no organismo do animal. O diagnóstico deste tipo de mastite é rápido uma vez que ocorre um comprometimento sistêmico com a exteriorização de sinais clínicos como febre, anorexia (animal não se alimenta) e prostração. Para a resolução destes quadros se faz necessária uma intervenção com antibióticos de rápida atuação como o Lactofur® na dose de 1ml/30kg, além do uso de Ciprolac® por no mínimo 5 dias além do uso de anti-inflamatório por no mínimo 2 dias ou até desaparecerem os sinais da inflamação.

De forma resumida, segue os tratamentos para cada uma das mastites citadas:

Grau 1: Ciprolac® (4 - 5 dias)

Grau 2: Ciprolac® (5 dias) + Penfort PPU® (dose única no primeiro dia) + Maxicam 2% (Dose única)

Grau 3: Cirpolac ® (5 dias) + Lactofur® (1ml/30kg) + Maxicam 2% (duas ou três doses).

Marcelo Feckinghaus

Especialista Técnico de Saúde Animal

Tags