Conheça a Clamidiose Felina: doença comum em gatos jovens

08 jun 2015

Conheça a Clamidiose Felina: doença comum em gatos jovens

A clamidiose felina é uma doença de distribuição mundial e altamente contagiosa. Às vezes seus sinais clínicos podem ser confundidos com uma simples pneumonia, porém essa doença pode ser grave e levar a morte dos gatos acometidos.

Essa enfermidade é causada por uma bactéria intracelular obrigatória chamada Chlamydophila felis (ou Chlamydia psitacci var. felis) afetando o aparelho ocular e respiratório dos animais acometidos.

A infecção por C. felis é mais frequente em gatos jovens (com idade entre dois meses e um ano), em ambientes com alta densidade populacional pouco arejados. A transmissão pode ocorrer através do contato direto com secreções de animais doentes ou com objetos utilizados pelos mesmos tais como comedouros e bebedouros. Gatas gestantes doentes podem transmitir a infecção a seus filhotes no momento do parto. Após o contato com a bactéria existe um período de incubação que dura de dois a cinco dias.

Essa doença bacteriana primeiramente afeta a conjuntiva dos animais, que é a membrana que recobre a parte frontal do globo ocular, posteriormente evolui atingindo o sistema respiratório. Os gatos acometidos podem apresentar sinais clínicos como conjuntivite, corrimento nasal e ocular persistente, espirros, dificuldade respiratória, febre, falta de apetite, pneumonia, relutância aos exercícios físicos e desânimo. É importante ressaltar que nem todos os bichanos expostos à bactéria vão desenvolver a doença. Animais estressados ou mal nutridos apresentam maior sensibilidade pelo fato do sistema imunológico se encontrar enfraquecido.

Cabe ao médico veterinário através de minucioso exame físico e exames complementares estabelecer o diagnóstico e prescrever o devido tratamento. Geralmente o tratamento é realizado através da administração de antimicrobianos, porém em casos mais graves é necessário terapias de suporte, como: uso de anti-inflamatórios e limpeza ocular com solução fisiológica, colírio, etc.

Felizmente essa doença pode ser prevenida através da realização de um esquema completo de vacinação. Em ambientes onde houve a permanência de animais infectados, indica-se a utilização de desinfetantes à base de cloreto de benzalcônio no manejo ambiental. Converse com o médico veterinário de seu bichano a esse respeito.

Mariana Castelhano Diniz

Médica Veterinária e Analista Técnica do Departamento Técnico da Ourofino Saúde Animal (Unidade Pet)

Tags