27 jun 2019

Vermifugação da tropa

Resumo do artigo

Os cuidados com a saúde da tropa (equinos, asininos e muares) começam com uma boa vermifugação. Por isso, é importante estar atento e vermifugar todos os animais. 

Veterinário acaricia animal antes de aplicar vermífugo

Com cerca de oito milhões de equídeos, o Brasil está entre os quatro maiores mercados potenciais do mundo, movimentando pouco mais de R$ 7,5 bilhões de reais entre insumos, acessórios, serviços equipamentos. O mercado de produtos veterinários para equinos representa em média 0,72% daquele valor (cerca de R$ 54,10 milhões ao ano). Os equídeos no Brasil são utilizados principalmente para trabalho (manejo do gado), esportes (os mais vaiados como corridas e provas de tambor), laser (cavalgada e passeios) e terapias para pessoas deficientes, um setor que segue aquecido. Os equídeos merecem cuidados, assim como quaisquer outras espécies. Necessitam de uma boa nutrição, vermifugação, vacinação e bom manejo, considerando o bem-estar animal.

Quando o assunto é vermifugação devemos realmente dar atenção ao tema. Há vários desafios relacionados as verminoses em equinos: tipo de verminose, sistema de criação, melhor protocolo de controle. Podemos definir o nível de risco para verminoses em equinos se considerarmos os seguintes perfis de criatório:

Nível 1: Sistemas de criação de baixo risco: animais criados em sistema confinado em cocheiras ou baias, recebendo ração, mineral e feno. Nestes casos os riscos de contaminação ambiental são reduzidos e oferecem pouco desafio aos animais. A vermifugação preventiva deve ser realizada pelo menos três vezes ao longo do ano;

Nível 2: Sistemas de criação de médio risco: animais criados em sistema misto, em cocheiras ou baias, recebendo ração, mineral e capim fresco cortado. Nestes casos os riscos de contaminação ambiental são reduzidos, mas o capim verde oferece desafio aos animais. A vermifugação preventiva deve ser realizada pelo menos quatro vezes ao longo do ano;

Nível 3: Sistemas de criação de alto risco: animais criados em sistema de pastagens, recebendo apenas mineral. Nestes casos os riscos de contaminação ambiental são elevados, o capim e a água são fontes de infecção. A vermifugação preventiva deve ser realizada pelo menos seis vezes ao longo do ano.

A vermifugação recebe um papel fundamental na saúde dos equinos. Uma boa vermifugação vai deixar o animal livre para se desenvolver melhor, além de eliminar os parasitas que causam cansaço, pelo fraco e deixam o animal sem força para trabalhar ou se exercitar. É importante seguir um calendário sanitário de vermifugações para facilitar o controle de parasitas e permitir maior desenvolvimento e saúde do animal.

Abaixo segue um modelo de calendário sanitário recomendando a vermifugação de acordo com as estações do ano.

Na foto você vê o calendário estratégico de vermifugação em equinos.

Procure as orientações de um médico veterinário com experiência em equinos para estabelecer um bom calendário sanitário para a tropa.

Tags


Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba nossa newsletter.


Deixe o seu comentário