05 ago 2019

Uso prudente de antimicrobianos: uma prática necessária

Os antimicrobianos são medicamentos utilizados para tratar infecções de origem bacteriana e vem sendo motivo crescente de preocupação tanto para a medicina humana quanto para a medicina veterinária.

Descobertos no século XX, estes medicamentos desde então têm sido essenciais para proteger a saúde humana e animal. No entanto, o uso excessivo ou inadequado pode levar ao surgimento de bactérias resistentes que não respondem ao tratamento antibiótico, como visto nas últimas décadas, o que representa uma ameaça ao controle de doenças em todo o mundo.

Quando as bactérias são resistentes, o tratamento antimicrobiano é ineficaz e não trata a doença. Essas ainda podem circular entre humanos, animais e o meio ambiente.

Como é uma preocupação global, que representa ameaça para a saúde e bem-estar dos humanos, dos animais e para a segurança alimentar, o médico-veterinário tem papel crucial na luta contra a resistência antimicrobiana, fazendo a prescrição racional desses medicamentos para uso em animais.

Além do mais, é imprescindível adotar algumas medidas para minimizar os riscos de resistência antimicrobiana. Algumas normas foram preconizadas pela OIE (Organização Mundial da Saúde Animal), como:

  1. Garantir o uso racional de agentes antimicrobianos em animais com o objetivo de otimizar tanto a eficácia como a segurança;
  2. Cumprir a obrigação ética e a necessidade econômica de manter os animais em boa saúde;
  3. Prevenir ou reduzir a transferência de microrganismos resistentes ou determinantes de resistência nas populações animais, no ambiente e entre animais e seres humanos;
  4. Contribuir para a manutenção da eficácia e utilidade dos agentes antimicrobianos utilizados na medicina animal e humana;
  5. Proteger a saúde dos consumidores, garantindo a segurança dos alimentos de origem animal no que diz respeito aos resíduos de agentes antimicrobianos.

Gisele Ravagnani

Analista Técnica Aves & Suínos

Tags


Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba nossa newsletter.


Deixe o seu comentário