14 ago 2018

Problemas de umbigo e as consequências na vida produtiva de bovinos de corte

Na pecuária de corte, podemos classificar os problemas mais comuns dependendo da fase de vida animal. Nos bezerros, a primeira prevenção é contra a onfaloflebite, mais conhecida como problema de umbigo.

A onfaloflebite pode envolver as diversas estruturas presentes na região, por isso devemos saber que a estrutura do umbigo dos animais é composta por uma veia e duas artérias umbilicais, além do úraco. Cada uma destas estruturas tinha função de manter a vida do feto durante a gestação. Este conhecimento é necessário, pois uma contaminação no umbigo por bactérias leva as mesmas a qualquer ponto do organismo do bezerro, comprometendo a sua vida se não tomarmos os devidos cuidados com a estrutura, como a higienização e a cauterização química o mais breve possível após o nascimento. Devemos usar o Iodo, pois no momento do nascimento ocorrerá uma contaminação por bactérias que podem prejudicar o desenvolvimento do animal, impossibilitando que ele expresse todo seu potencial de desenvolvimento desejado pelo produtor.

Muitas vezes, encontramos em fazendas animais com articulações inchadas sendo provavelmente consequência de uma infecção oriunda de umbigo contaminado no momento do nascimento. As bactérias têm preferência pelo local, pois apresenta características que dificultam a eliminação delas, pois a circulação sanguínea local é restrita, com isso o combate as bactérias se torna muito difícil. Outro problema frequente é um desenvolvimento inferior quando comparado com animais de idades semelhantes. Isso acontece pelo fato de uma infecção no umbigo poder afetar as funções hepáticas e renais do animal porque é uma porta de entrada para todo o seu sistema. Essas consequências são as chamadas complicações metastáticas, pois podem afetar os órgãos e qualquer componente do sistema do animal. Em outro exemplo, até mais grave, podemos observar sinais de problemas neurológicos que são consequência de meningite. Eles são muitas vezes inespecíficos podendo ser confundidos com raiva, pois o animal não apresentará coordenação motora. Neste caso também temos a presença de bactérias no sistema nervoso central, mais especificamente nas meninges que são as membranas que o recobrem.

Para evitarmos esses problemas, o uso de antibióticos de amplo espectro como o Penfort PPUé de extrema importância nos momentos após o nascimento, pois se trata de uma combinação eficaz de Penicilinas G Procaína e Penicilina G Benzatina, juntamente com a Dihidroestreptomicina, combatendo rapidamente possíveis infecções no estágio inicial, além de manter níveis terapêuticos efetivos de proteção no período mais crítico, ou seja, a primeira semana de vida. Isso acontece pelo fato da ação da Dihidroestreptomicina iniciar em questão de minutos e a manutenção se dá pelas penicilinas que se mantem por diversos dias.

Marcelo Arne Feckinghaus

Especialista Técnico em Saúde Animal

Tags


Deixe o seu comentário