17 out 2018

Indução de ciclicidade: estratégia importante para incrementar a taxa de prenhez à IATF em novilhas

As falhas reprodutivas podem afetar muito a rentabilidade dos sistemas de cria, sendo que a idade à puberdade é um importante fator que impacta toda a produção futura das novilhas. No Brasil, a idade à puberdade de fêmeas zebu é estimada entre 22 e 36 meses, projetando o primeiro parto para o período entre 44 e 48 meses. Quando comparadas às fêmeas taurinas, que podem atingir a puberdade ao redor dos 15 meses de idade, esse atraso observado nas novilhas zebu pode ser atribuído tanto a fatores genéticos como ambientais, incluindo nutrição, doenças e época de nascimento.

No sistema empregado atualmente em grande parte das fazendas de cria brasileiras, com a utilização de períodos restritos de cobertura, é necessário que a novilha atinja a puberdade antes do início da estação de monta. Sabe-se que novilhas que alcançam a puberdade mais cedo possuem melhor desempenho reprodutivo e mais chances de reconcepção depois do primeiro parto. Além disso, novilhas que possuem um corpo lúteo no início da estação de monta (ou seja, que já estão púberes) possuem maior taxa de prenhez com a IATF quando comparadas às novilhas que não se encontram cíclicas no início da estação.

 Indução de ciclicidade

Para aumentar a quantidade de novilhas cíclicas ao protocolo de IATF, foram desenvolvidos os protocolos de indução de ciclicidade com uso de dispositivos vaginais de progesterona aliados a uma dose de estrógeno no momento de sua retirada. Esses protocolos são utilizados geralmente 12 dias antes do início do protocolo de IATF como uma excelente estratégia para aumentar a quantidade de novilhas a serem expostas à inseminação artificial.

Progesterona Injetável (Sincrogest Injetável)

Na tentativa de facilitar o manejo, estudos recentes mostram que a inserção do dispositivo vaginal de progesterona pode ser substituída pela injeção de progesterona injetável de longa ação (Sincrogest Injetável), mantendo a mesma eficiência. Publicado em Congresso da SBTE (Sociedade Brasileira de Tecnologia de Embriões) de 2016, o estudo de Felisbino Neto et al. selecionou apenas novilhas pré-púberes e submeteu as mesmas ao protocolo tradicional (com implante vaginal) ou ao protocolo de indução de ciclicidade com Sincrogest Injetável. Os resultados comprovam que a eficiência foi semelhante, tanto na indução de ciclicidade quanto na taxa de prenhez do protocolo de IATF subsequente à indução (figura 1).

Ainda, na sequência desse estudo, publicado recentemente na SBTE 2017 (Felisbino Neto et al.) foi dosada a concentração de progesterona ao final do protocolo de indução de ciclicidade, comparando o protocolo usual (com dispositivo vaginal) com o protocolo utilizando-se o Sincrogest Injetável. O resultado demonstrou que a curva de progesterona é semelhante entre as duas técnicas (figura 2).

Portanto, para indução de ciclicidade em novilhas, o seguinte protocolo pode ser utilizado (figura 3), com as vantagens de:

1) Facilidade de manejo;

2) Diminuição do risco de vaginites;

3) Ser ideal para novilhas superprecoces;

4) Possuir eficiência comprovada.

Fotos: Departamento Técnico e Istock

Bruno G. Freitas e Bruna M. Guerreiro

Departamento Técnico da Ourofino Saúde Animal

Tags


Deixe o seu comentário