10 jun 2019

FOS 350: o aliado do avicultor para o controle da Salmonella

Resumo do artigo

A Salmonelose, termo utilizado para denominar a infecção causada por bactérias do gênero Salmonella, infecta todos os animais, inclusive as aves e o homem. A Salmonella constitui um problema de saúde pública mundial como uma das principais causas de doenças transmitidas por alimentos, sendo amplamente reconhecida como uma importante fonte de contaminação e infecção, através de carne de aves ou ovos.

A Salmonelose, termo utilizado para denominar a infecção causada por bactérias do gênero Salmonella, infecta todos os animais, inclusive as aves e o homem. A Salmonella constitui um problema de saúde pública mundial como uma das principais causas de doenças transmitidas por alimentos, sendo amplamente reconhecida como uma importante fonte de contaminação e infecção, através de carne de aves ou ovos.

Recentemente, baseado na importância da salmonella como agente causador de doença nas aves e de risco para a saúde pública, tem se utilizado uma nova classificação, dividindo as infecções por Salmonella em 3 grupos:

  • Grupo 01: S. Gallinarum e a S. Pullorum, causadoras do tifo aviário e pulorose, respectivamente. Estes dois sorotipos são imóveis, têm as aves e principalmente galinhas e perus como hospedeiros específicos, sendo consideradas de alta patogenicidade.
  • Grupo 02: Salmonella entérica, subespécie entérica, móveis, tipo paratíficas, com exceção da S. Enteridis e S. Typhimurium. Representando em torno de 1500 sorotipos, as salmonelas do grupo 2 podem ser encontradas nas aves e nos mamíferos clinicamente saudáveis. A infecção é também denominada paratifo aviário. Dificilmente causam doença clínica nas aves e transmitem-se por via horizontal. São potenciais causadoras de causar gastroenterites em humanos.
  • Grupo 03: S. Enteritidis e Typhimurium, são bactérias móveis que eventualmente podem causar doença clínica em aves jovens e estão relacionadas com a grande maioria dos casos de toxinfecções alimentares por salmonelas em humanos. Além da transmissão horizontal, verificou-se nestes dois sorotipos, e principalmente com a Enteridis, certo nível de transmissão vertical.

Na avicultura, qualquer alteração no equilíbrio da flora intestinal resulta em aumento do risco de doenças intestinais, refletindo em perdas econômicas significativas, uma vez que se trata de uma espécie com um ciclo produtivo curto, em que um frango de corte ganha em media 0,060 kg por dia. Deste modo, qualquer desafio entérico que acometa essas aves certamente representa uma redução de rentabilidade.

Para este problema a Ourofino Saúde Animal possui o FOS 350, um excelente aliado do avicultor no controle da Salmonelose. Composto por um antimicrobiano à base de fosfomicina cálcica a 35%, o que equivale a 25% de fosfomicina base e 10% de Vitamina C, um potente imunomodulador.

A fosfomicina é uma molécula segura para utilização em medicina veterinária, uma vez que não é considerado pela Organização Mundial da Saúde (WHO) como um antimicrobiano criticamente importante para medicina humana, podendo ser utilizado em produção animal para fins terapêuticos sem que haja restrições, principalmente vindas do mercado externo. Possui também baixa ligação às proteínas plasmáticas, fato este que permite uma excelente perfusão tecidual e excelente penetração em células imunes, conferindo uma ação eficaz em bactérias intracelulares obrigatórias e/ou facultativas, como a Salmonella spp. Além disso, ultimamente tem apresentado um menor percentual de resistência bacteriana dentre as principais moléculas utilizadas para tratamento de quadros de salmonelose, garantindo assim uma melhor eficácia.

Gisele Ravagnani

Analista Técnica Aves & Suínos

Tags


Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba nossa newsletter.


Deixe o seu comentário