Artigos - Melhores estratégias para o controle de parasitas no rebanho

27 mai 2024

Melhores estratégias para o controle de parasitas no rebanho

Naturalmente, os animais e os parasitas interagem com fatores climáticos com alterações de temperatura e umidade, no período seco do ano, mais os animais e os parasitas são desafiados. Nesse momento a melhor estratégia é a vermifugação dos animais.

Durante décadas diversos estudos provaram que esse vermifugação estratégica preventiva é mais eficaz do que simplesmente o tratamento dos animais clinicamente comprometidos por verminoses e deve considerar a grande extensão territorial e variação climática brasileira. Podemos definir como controle estratégico as vermifugações no final do período chuvoso, durante o período seco e início do período chuvoso.

O controle estratégico auxilia na redução de novas infestações de pastagens e apresenta resultados a médio e longo prazo melhorando a saúde e desempenho zootécnico dos animais. Tem como principal característica, a utilização racional de vermífugos e manutenção de cargas parasitárias compatíveis com a produção animal, apresentando, com isso, o melhor custo-benefício, dentre as formas de tratamento.  

O controle estratégico baseia-se no conhecimento da epidemiologia e a dinâmica dos parasitos nos bovinos e na pastagem durante o ano, e a partir disto, é possível pré-determinar vermifugações nos melhores períodos. 

 

Qual o melhor momento para controlar os parasitas dos animais? 

Não há nenhuma novidade no controle estratégico de parasitas. De fato, controlar parasitas nos animais apenas em Maio e Novembro, apesar de ser bom não é suficiente e deixa a desejar para um controle efetivo.

Atualmente a melhor estratégia de vermifugação deve considerar as categorias dos animais conforme a susceptibilidade, sendo que os animais com idade variando entre 2 meses e 24 meses, são os mais susceptíveis. O modelo de controle estratégico (Início da estação seca + Meio da estação seca + Início da estação chuvosa) é amplamente eficaz para saúde/bem-estar animal e produtividade/lucratividade da fazenda.

Existem alguns modelos controle estratégico de parasitas, onde cada mês do ano, janeiro a dezembro (mês 1 ao mês 12), podemos decidir pelo manejo sanitário com vermifugações e controle de parasitas externos. Há alguns exemplos de meses sugeridos e já consagrados para vermifugações, conforme os esquemas:  

  • Meses 5, 7 e 9: região sul e nordeste.
  • Meses 5, 8 e 11: regiões centro-oeste, sudeste e nordeste.
  • Meses 2, 5, 8 e 11: região norte e regiões de maior desafio.  

 

Qual o esquema sugerido para o controle estratégico de parasitas? 

O protocolo é formado pelas aplicações de Master LP® em maio e novembro e a utilização de Evol® no mês de agosto. De modo geral, em todo Brasil, o modelo genérico e eficaz que pode ser adotado pela maioria das fazendas de cria recria e engorda a pasto deve considerar as vermifugações da seguinte maneira: 

  • Mês 5 (maio)

Final do período das águas: essa vermifugação preconiza o Master LP (4% ivermectina de longa ação) atua contra os parasitas internos e externos que vieram do período das águas e geralmente corresponde as maiores infecções. Dessa maneira os animais entram mais saudáveis no período de transição da seca; 

  • Mês 8 (Agosto)

Durante o período seco: essa vermifugação preconiza o Evol (associação de dois antiparasitários, ivermectina e sulfóxido de albendazole) que atua contra os parasitas internos e externos. Evol é o endectocida mais completo e de ação rápida, capaz de eliminar todos os tipos de parasitas; 

  • Mês 11 (Novembro)

Final do período seco ou no início das águas: essa vermifugação preconiza o Master LP (4% ivermectina de longa ação) atua contra os parasitas internos e externos que vieram do período das águas e geralmente corresponde as maiores infecções. Dessa maneira os animais entram mais saudáveis no período de transição da seca. 

 Protocolo 5 - 8 - 11

Fonte: Avaliação da eficácia de três diferentes tratamentos anti-helmínticos estratégicos contra nematódeos gastrintestinais de bovinos naturalmente infectados. XIX Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária 2016: CPPAR/Unesp Jaboticabal SP, UFG – Goiânia GO e Ourofino Cravinhos SP. 

 

Resultados  

A utilização do Evol no programa de controle estratégico permite um ganho extra devido a sua eficácia até mesmo contra cepas resistentes (CAMARGO et. al., XXI Congresso Brasileiro de Parasitologia 2022) sendo mais eficaz que doramectina 3,5% e moxidectina 1%.

Além do maior espectro de ação, Evol atingiu 81,2% de eficácia contra cepas resistentes, enquanto as formulações comerciais de moxidectina 1%, levamisol 18,8%, ivermectina 3,15%, doramectina 3,5% e sulfóxido de albendazole 15% atingiram eficácias variando de 27,9% a 74,6% e a combinação de ivermectina 2,25% + abamectina 1,25% se mostram ineficientes em muitas propriedades (BORGES et. al.; Nota Técnica n°5/2023, UFMS).  

 

Interface gráfica do usuárioDescrição gerada automaticamente com confiança média 

O OPG que apresentou maior redução foi para o protocolo de vermifugação estratégica “maio, agosto e novembro” (mês 5, mês 8 e mês 11) com 92,5% de redução, seguido do protocolo de vermifugação tradicional em “maio e novembro” (mês 5 e mês 11) com 56,3% de redução frente ao grupo controle, respectivamente (Figura 1). O protocolo estratégico 5, 8 e 11 apresentou uma redução de 88,84% quando comparado ao protocolo estratégico tradicional.  

Obs.: Na prática o ideal é realizar o controle integrado de parasitas, juntamente com o controle estratégico, associando soluções antiparasitárias específicas também contra parasitas externos. 

 

Figura 1: Média Geométrica dos OPGs durante os 194 dias de avaliação.

Gráfico, Gráfico de barrasDescrição gerada automaticamente

 

Em re