16 mar 2011

Criação de Bezerras e Novilhas leiteiras - Parte II: Cuidados Sanitários

          Na “Parte I- Cuidados Básicos na Criação de Bezerras e Novilhas Leiteiras” ressaltamos a importância da colostragem nas bezerras com colostro de qualidade que deve ser avaliado por um aparelho chamado de Colostrômetro que verifica a quantidade de imunoglobulinas (anticorpos) presentes no mesmo. Quanto maior o número de imunoglobulinas maior é a qualidade do colostro sendo evidenciado em vacas multíparas do que em vacas prímiparas. Esta prática é responsável pela transferência da imunidade passiva da mãe para a filha.          Outro ponto que não pode deixar de ser lembrado é a “Cura” ou “Queima” do umbigo com iodo a 10% duas vezes ao dia durante 2 a 3 dias, ou até sua completa desidratação (secagem). Estes dois pontos são de extrema importância para o início promissor de um animal que será o futuro de uma propriedade leiteira. Alguns autores relatam que cerca de 90% do sucesso de uma boa criação de bezerras está depositado nestas simples práticas de manejo.          A criação de bezerras muitas vezes é encarada pelo produtor como um custo a mais na produção, já que as mesmas ainda não estão produzindo e ajudando a pagar as contas, contudo não podemos nos esquecer que são elas que substituirão as vacas ou que poderão ser uma segunda fonte de renda através de sua comercialização quando o rebanho leiteiro estiver estabilizado.          Pesquisadores sugerem que a criação de bezerras seja encarada como um negócio a parte dentro da propriedade leiteira, e que através de planejamento e organização, sejam computados os custos, investimentos e mão-de-obra necessários para se obter sucesso. A mesma juntamente com a alimentação e em especial com o uso de concentrado indiscriminado são os principais entraves de muitas propriedades.          Neste contexto, a sanidade é responsável direto e tem assumido papel de destaque na concepção das empresas rurais e da profissionalização de uma nova fonte de renda para estas fazendas.          O planejamento e definição de um objetivo são essenciais nesta fase, onde a elaboração de um Calendário Sanitário, contendo o controle estratégico de endo e ectoparasitas e das principais vacinas, seja distribuído ao longo do ano tornando-se primordial para se chegar ao sucesso com o menor custo.          O controle de ecto e endoparasitas e das vacinações das principais enfermidades deve ser associado à prevenção e ao tratamento das mais importantes doenças que acometem os animais nesta fase, definindo as medidas profiláticas e os melhores protocolos de tratamento com os produtos mais indicados em cada uma delas.          Na Parte III destacaremos e definiremos um modelo de Calendário Sanitário para o controle de endoparasita, ectoparasita e principais vacinas a serem utilizadas em uma fazenda hipotética e os melhores produtos a serem usados nas doenças mais importantes de bezerras: Diarreia, Pneumonia e Tristeza Parasitária Bovina.        Por Carla Maris Machado Bittar e Jean J. P. Perícole.

None

None

Tags


Deixe o seu comentário