30 mai 2011

Carne Suína vs. Colesterol

O brasileiro consome pouca carne suína in natura na sua alimentação do dia a dia, restringindo muito seu consumo a ocasiões festivas, quando o lombo e o pernil assado são os principais cortes consumidos. Um plano que divulgasse a carne suína, ensinasse seu preparo e restabelecesse a verdade sobre suas vantagens e benefícios seria um meio de divulgar, esclarecer e incentivar o consumo da carne suína como mais uma fonte saudável de proteína de origem animal. Os piores fatores que impedem a expansão do consumo da carne suína no Brasil são o preconceito junto com a desinformação. Há no seio da sociedade brasileira o conceito de associar carne de porco com gordura, insalubridade, colesterol, entre outros. São raras as referências que citam a diferença entre cortes magros e cortes gordos, independente da espécie. Com isso, a melhor forma de combater o preconceito, mitos e desinformações e incentivar a expansão da carne suína no Brasil é com estudos, informações, fatos e dados. Agroindústrias, campo, universidades e fornecedores têm conhecimento suficiente para ser difundido. Chamamos a atenção de que a carne suína é a proteína animal mais consumida do mundo, com uma produção de 115 milhões de toneladas. O Brasil é o 4º maior produtor e exportador mundial. (ABIPECS 2009) Nos últimos 30 anos o suíno evoluiu de uma média de 40% de carne magra para 60%; de 6 cm de toucinho para 1,5 cm; de 30 kg de banha para 3 kg. Os criadores investiram em intensos trabalhos de melhoria nas áreas de genética, nutrição animal, manejo e sanidade, resultando em ganhos de produtividade e em carne mais magra e saudável. O nível de colesterol na carne suína hoje se assemelha ao das aves. Atende à Associação Americana do Coração, que recomenda uma ingestão diária de 300 mg de colesterol por dia. Em 100 gramas de lombo assado ou cozido, existem cerca de 100 mg de colesterol. Portanto, a carne suína não é uma vilã, além de ser uma rica fonte de proteínas com alto potencial biológico, vitaminas do complexo B e minerais. Também se destaca pelo seu conteúdo de cálcio, fósforo e potássio, este último tem importante função na normalidade da pressão sanguínea. Outro mineral biodisponível na carne suína é o ferro, importante para o controle e prevenção da anemia, principalmente entre mulheres e crianças. Precisamos nos informar, saber preparar e saborear. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO – Unicamp - 2006 Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos – TACO – Unicamp – 2006

Fonte: http://www.iom.edu/Activities/Nutrition/SummaryDRIs/~/media/Files/Activity%20Files/Nutrition/DRIs/New%20Material/5DRI%20Values%20SummaryTables%2014.pdf (Food and Nutrition Information Center)

Suíno na década de 70 (porco tipo banha) Suíno nos últimos 10 anos. (suíno moderno) Por: Maycon Secani Cunha, Zootecnista, Departamento Aves & Suínos da Ourofino Agronegócio

Tags


Deixe o seu comentário