23 ago 2010

Aspectos básicos fundamentais na condução de programas de Inseminação Artificial em Tempo Fixo

A Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) é a técnica que mais tem tido atenção de produtores e técnicos de rebanhos bovinos de corte e leite nos últimos anos, tendo como comprovação disso a rápida adoção da técnica em todas as regiões do Brasil. E como toda técnica nova que chega ao mercado precisa ser muito bem conduzida no intuito de evitar problemas como o uso indevido e consequente descrédito da mesma. Assim sendo vamos falar de alguns dos pontos mais críticos que devem ser avaliados e constantemente checados para evitarmos a baixa performance da técnica. - Organização, identificação dos animais e escrituração: De uma forma geral nos protocolos de IATF, as fêmeas serão manejadas por pelo menos 3 vezes (protocolo de 3 manejos) além dos manejos de avaliação prévia do rebanho, bem como do diagnóstico de gestação (totalizando 5 manejos pelo menos). Assim devemos ter por excelência a qualidade da identificação dos animais, escrituração (apontamento dos manejos) e organização dos processos. Quando falamos de correta identificação, estamos falando de pelo menos uma identificação padrão (p.e. ferro quente) e se possível, de uma dupla identificação (ferro quente e brinco auricular), o que reduz as dúvidas que podem ocorrer (p.e. por números borrados ou brincos perdidos). Para a condução de todos os manejos é importante o uso de check list, que evitam a ocorrência de falta de material necessário quando a equipe e os animais já estiverem no curral, o que poderia comprometer o resultado do protocolo.  Esse check list deve conter informações sobre a quantidade de todos os equipamentos e produtos necessários para cada um dos manejos, além das informações que deverão ser sistematicamente tomadas em cada um deles. O controle dos animais se faz necessário porque uma vaca que não passe por algum dos manejos e não receba todos os produtos do protocolo certamente terá sua resposta ao tratamento comprometida. Evita-se também que animais que não tenham sido submetidos ao protocolo por qualquer motivo sejam inseminados sem estar devidamente sincronizados. O momento para a realização de cada uma das atividades deve ser rigorosamente obedecido. Isso porque os protocolos são delineados com base na fisiologia das vacas, assim um atraso ou adiantamento, por exemplo, no momento da inseminação artificial pode reduzir drasticamente os resultados finais. LOGO FALAREMOS DE OUTRO PONTO IMPORTANTE PARA O BOM RESULTADO DA IATF Por José Ricardo Maio, Médico Veterinário e Diretor Comercial da Ourofino.

None

None