14 jan 2019

E a vermifugação do rebanho?

A vermifugação do rebanho deve ser uma premissa básica na pecuária de corte. Principalmente quando falamos em Brasil, país com clima tropical onde as mudanças acontecem de acordo com as estações do ano, que não são bem definidas. Cenário propício para a proliferação das verminoses e dos prejuízos econômicos trazidos por elas.

Entre os prejuízos, o pior deles é a queda de produtividade, muitas vezes até difícil de mensurar, pois não se consegue medir o que se deixa de ganhar. O animal parasitado não ganha peso e o seu desenvolvimento fica comprometido. Pesquisas nacionais mostram que animais tratados incorretamente ou não tratados, podem chegar a perder até 53 kg por cabeça. Em contrapartida, o tratamento estratégico dos animais recém-desmamados e recriados a pasto pode incrementar em até 13,42 kg em um período de 120 dias.

Defina o protocolo

O foco deve estar no controle estratégico de verminoses no rebanho. Mas quando é a melhor época? Simples: para ser mais efetivo no controle, devem ser feitas as vermifugações estratégicas de entrada, meio e fim da seca ou no início do período das águas. Principalmente na seca, pois nesse período as verminoses têm menos potencial biológico e as cargas parasitárias das pastagens estão reduzidas. Com o uso dos tratamentos elas não conseguem infectar os animais.

Um excelente momento para colocar a vermifugação de todo o rebanho em dia é o período das campanhas de vacinação obrigatória contra a Febre Aftosa. Além de vermifugar, o manejo pode ser aproveitado para fazer o controle de parasitas externos como carrapato, mosca-dos-chifres e berne, parasitas que são altamente prejudiciais à produtividade.

Como escolher o endectocida?

O profissional indicado para montar o calendário de vermifugação do rebanho é o médico-veterinário. Contar com a ajuda dele antes de escolher qual endectocida usar é fundamental para o resultado, pois ele pode avaliar a fase de vida e as necessidades do animal, considerando os sistemas de criação, categorias e tipo de criação (corte ou leite).

A Ourofino Saúde Animal oferece endectocidas de alta performance como o Evol que reúne no mesmo produto o Sulfóxido de Albendazol e a Ivermectina. Outras opções são as Ivermectinas de longa ação como o Master LP. O médico-veterinário Lucas Marques explica que a recomendação para os bezerros é utilizar o endectocida Ivermectina OF, com 1% de concentração. “Nas primeiras semanas de vida os bezerros ainda não se alimentam de pastagem e apresentam baixa carga de helmintos, mas, aos poucos, este cenário muda e se torna a categoria de maior risco durante a cria e a recria. A Ivermectina OF atua tratando e prevenindo as bicheiras de umbigo, além de vermifugar os animais auxiliando no controle de carrapatos”, afirma.

Já os animais jovens em fase de desmama até 30 meses são os mais suscetíveis às infecções por vermes e é a categoria que, quando infectada, causa maior perda produtiva para o rebanho, pois perdem peso e ficam atrasados. “O endectocida mais completo para esta fase do rebanho é o Master LP por ser à base de Ivermectina com 4% de concentração e protege os animais por até 120 dias. Em uma prova de ganho em peso, comparou-se o Master LP com outro endectocida com 3,15% de concentração de Ivermectina. Ao final, os animais tratados com Master LP pesavam em média 6,60 kg a mais do que o tratamento com Ivermectina 3,15%”, destaca Marques.

O veterinário ressalta que é importante alternar os princípios ativos no calendário estratégico de vermifugação para evitar a resistência parasitária. “Diferentes ativos podem ser utilizados para o controle estratégico de vermes. Uma alternativa é utilizar o Evol que pode ser aplicado em todas as fases do rebanho, principalmente no período de confinamento. O produto oferece alta performance no tratamento e no controle dos principais nematódeos gastrintestinais. Resultando em ganho de peso e melhoramento dos índices zootécnicos dos animais”, explica o veterinário.

Para as vacas, a estratégia é vermifugar no período de pré-parto. “É seguro vermifugar animais prenhes com Voss Produce ou Voss Performa. No pré-parto, as vacas permanecem protegidas por mais tempo durante esta fase crítica onde estão expostas aos parasitas e a taxa de contaminação das pastagens diminui. O Voss Performa também pode ser utilizado nas novilhas que vão entrar em estação de monta, além de animais em terminação por ter baixo período de carência”, conclui. 
 

Sinais clínicos de verminoses

  • Animais tristes e abatidos;
  • Tosse geralmente com secreção;
  • Pelos secos e eriçados;
  • Abdômen aumentado (barrigudo);
  • Barbela inchada;
  • Comem pouco;
  • Emagrecimento progressivo;
  • Atraso no desenvolvimento;
  • Comem itens como terra e madeira;
  • Podem apresentar diarreia, fezes escuras e às vezes com sangue;
  • Anemia acentuada, desidratação;
  • Mortalidade.

O pecuarista Plínio Siqueira, da Fazenda Oratório, em Macaé (RJ), cria gado Nelore e usa o Master LP para controlar as verminoses. “Eu uso Master LP há dez anos, sempre intercalando com outro produto para não trazer resistência, mas o melhor resultado é sempre o do Master LP. Já usei de outro laboratório e fiz prova de ganho de peso em 2014 com quatro produtos. Ganhou o Master LP”, conta o criador.

Tags


Newsletter

Cadastre seu e-mail e receba nossa newsletter.


Deixe o seu comentário