Artigos - Pulgas e carrapatos: a difícil tarefa de se livrar destes parasitas

13 set 2016

Pulgas e carrapatos: a difícil tarefa de se livrar destes parasitas

Com certeza ter um cão ou um gato como animal de estimação é uma experiência maravilhosa, mas essa relação deve ser cercada de cuidados. Sabemos que os pets podem ser parasitados por ectoparasitas, ou parasitas externos, como os carrapatos e as pulgas e, como consequência, levar esses parasitas para dentro das residências.

A infestação por ectoparasitas fica mais comum com a chegada do clima quente em grande parte do país. O aumento na população destes parasitas externos acontece pela associação de alta temperatura e alta umidade relativa do ar, ideais para o desenvolvimento de seus ciclos biológicos.

Quando nos deparamos com infestações de carrapatos e pulgas em animais de companhia, o que vemos representa apenas uma pequena parcela da população presente no ambiente. No caso das pulgas, todas as formas imaturas (ovos, larvas e pupa/casulo) se abrigam no ambiente para se alimentarem e se desenvolverem. Já os carrapatos têm suas fases evolutivas (ovo, larva, ninfa e adulto) fixadas no ambiente para continuarem em desenvolvimento.

As picadas tanto das pulgas, quanto dos carrapatos podem acarretar em desconforto e reações alérgicas nos animais sensíveis. Além disso, estes parasitas externos atuam como vetores de inúmeros agentes patogênicos que podem infectar cães, gatos e até mesmo os seres humanos.

A presença de pulgas e/ou carrapatos nos pets não reflete a falta de higiene, pois na maioria das vezes eles são infestados durante passeios em parques e praças, por meio de portões de casas e contato com outros animais. Os pets que vivem em apartamentos e raramente saem também não estão livres destes parasitas, as fêmeas de carrapatos podem escalar paredes de até quatro metros e as pulgas são excelentes saltadoras.

Tão importante quanto o controle das infestações nos animais é o seu combate no ambiente. Para as duas situações temos dois requisitos imprescindíveis: insistência e paciência, o controle não é tarefa fácil visto que são parasitas resistentes e se escondem no ambiente.

Atualmente existem no mercado diversos produtos que trabalham nas infestações de pulgas e carrapatos dos animais. A Ourofino possui em seu portfólio três produtos para esta finalidade: Protetor Pet, NEOPet e Leevre. Para que os produtos atuem de forma satisfatória é importante que se utilize a maneira indicada pelo fabricante. Geralmente, para os produtos vendidos em pipetas a recomendação mínima é de três aplicações consecutivas para que ocorra a interferência satisfatória do produto no ciclo biológico destes parasitas. No caso de produtos de ação prolongada, como as coleiras, esta frequência já é respeitada. É indispensável conversar com um médico-veterinário de sua confiança para que ele indique qual o melhor produto para cada situação e qual a frequência com que o tratamento deverá ser realizado.

O combate às infestações ambientais é primordial para o controle efetivo da infestação no animal. As pulgas e os carrapatos possuem comportamentos distintos no ambiente. Enquanto as formas imaturas das pulgas preferem como abrigo os locais abaixo do nível do solo, os carrapatos adultos e suas formas imaturas tendem a se esconder em locais altos, acima do nível do solo. Engana-se quem pensa que as infestações destes parasitas no ambiente só acontecem em áreas externas. Com o pet inserido cada vez mais dentro do contexto familiar é preciso dar atenção ao interior das residências como, por exemplo, sofás, cortinas, tapetes e armários embutidos. O local onde o pet costuma repousar e passar a maior parte do tempo deve ser frequentemente monitorado e higienizado, uma vez que a infestação ambiental pode certamente estar presente.

O controle ambiental deve ser feito de acordo com as orientações dadas pelo médico-veterinário ou pelas empresas especializadas no controle de pragas (dedetizadoras). Isso porque a maioria dos produtos inseticidas e acaricidas ambientais podem ser tóxicos para os animais e para os seres humanos. Assim como é feito o controle de pulgas e carrapatos nos animais, o ambiente também deve ser tratado frequentemente. O intervalo entre as aplicações do tratamento ambiental vai depender de muitos fatores, sendo o mais relevante a densidade da infestação. Portanto, um único tratamento não é o bastante para o efetivo controle das infestações por parasitas nem no ambiente e muito menos no animal.

Para que exista uma diminuição nas infestações por ectoparasitas é importante que cada um faça a sua parte mantendo protegidos tanto ambiente, quanto animal. Uma ampla conscientização da população seja de uma cidade, de um condomínio ou de uma rua, é imprescindível para o sucesso efetivo do controle. Converse com seus parentes e vizinhos sobre esse assunto, sua família e seus pets só têm a ganhar com este cuidado!

Mariana Castelhano Diniz

Médica-Veterinária e Analista Técnica na Ourofino Saúde Animal

Tags


Deixe o seu comentário