Especialista técnico da Ourofino Saúde Animal orienta sobre botulismo

18 set 2017

Especialista técnico da Ourofino Saúde Animal orienta sobre botulismo

Em agosto, a pecuária de corte vivenciou um cenário grave com o surto de botulismo no Mato Grosso do Sul. Mais de mil bovinos em confinamento, na fase de terminação, morreram por causa da doença, o que resultou num prejuízo estimado em R$ 2 milhões. Dada a relevância da enfermidade, o profissional Marcel Onizuka, especialista técnico da Ourofino Saúde Animal, aborda as principais informações para o produtor. 

O botulismo é uma clostridiose, ou seja, doença originada de uma bactéria do gênero Clostridium, com a especificação botulinum. Suas características ambientais englobam a anaerobiose e formação de esporos, conferindo a ela forte resistência. “O componente que causa a doença é a toxina produzida pela bactéria quando ela se encontra no ambiente anaeróbico. Então, a toxina pode fixar tanto no alimento quanto na água, desencadeando a enfermidade”, explica Marcel.

O Clostridium botulinum produz alguns tipos de toxinas, são elas A, B, C, D, E e F. Todas podem provocar flacidez muscular, porém, cada uma afeta espécies diferentes de animais. “As mais importantes para os bovinos são C e D. Após ingerir em quantidades significativas, as toxinas são absorvidas pela mucosa intestinal e caem na circulação, desencadeando um quadro de paralisia flácida”, completa o especialista da Ourofino.

As fontes de infecções estão relacionadas a situações em que animais morrem perto de mananciais de água e próximos a carcaças de ossos ou ao consumo de silagem contaminada. Marcel reforça ainda que “a osteofagia observada em bovinos mantidos em áreas deficientes em fósforo, sem a adequada suplementação mineral, também é fator predisponente. Esses são pontos críticos e devem ser observados constantemente”.

O botulismo é uma doença que provoca a morte rápida e, quando ocorre, acomete em forma de surtos um grande número de animais do rebanho. Portanto, o profissional é enfático em pontuar que é primordial realizar a imunização para prevenir essa doença. “Utilizar uma vacina de eficácia comprovada é fundamental para estimular o sistema imunológico do animal a produzir a quantidade de anticorpos suficientes para protegê-lo caso ocorra um surto na propriedade”.

Ciente da gravidade dessa doença e do quão necessário é a vacinação, a Ourofino Saúde Animal dispõe em seu portfólio da Ourovac Poli BT, a vacina anticlostridial conjugada que protege contra as principais clostridioses, inclusive o botulismo (cepas C e D). A dose é 5 mL e o adjuvante é o hidróxido de alumínio, que não provoca reação local. 

Tags