Seu pet está com pulgas?

04 jan 2016

Seu pet está com pulgas?

Encontrar uma infestação de pulgas em seu pet certamente é uma situação desagradável, não é mesmo? Se para nós essa situação é ruim imagine para os cães e gatos parasitados.

O conhecimento do ciclo de vida  das pulgas é uma ferramenta fundamental para controlá-las de forma eficiente.  Este controle deve ser feito nos animais e também no ambiente. As pulgas encontradas nos cães e gatos são insetos pequenos que possuem coloração amarronzada além de uma incrível capacidade de saltar.

O ciclo de vida das pulgas divide-se em duas fases:

- Fase parasitária, em que encontram-se os insetos adultos;

- Fase de vida livre, em que encontram-se as formas imaturas (ovos, larvas e pupas).

Em condições ambientais favoráveis de temperatura e umidade, o ciclo de vida deste parasita pode se desenvolver entre doze e quinze dias. As pulgas adultas, machos e fêmeas, fazem parte da fase parasitária e representam apenas 5% de uma infestação total.

Quando estão no ambiente, as pulgas identificam o hospedeiro (cão ou gato) através de estímulos visuais e térmicos. Assim que o mesmo é localizado elas saltam sobre a sua pele onde são encontradas alimentando-se de sangue - estima-se que em uma hora 97% das pulgas já realizaram sua primeira refeição.

As pulgas sugam o sangue diretamente dos vasos sanguíneos de pequeno calibre, alimentando-se duas a três vezes ao dia. Deste modo, em dois dias as fêmeas aumentam em até 140% o volume de seu corpo. No período de 24 a 36 horas após o início da alimentação as pulgas fêmeas realizam a primeira ovipostura, sendo que cada uma põe aproximadamente 50 ovos por dia. Grande parte destes ovos tende a se acumular nos ambientes mais frequentados pelos pets tais como caminhas, casinhas, tapetes e sofás.

Os ovos presentes no ambiente eclodem no período de um a dois dias após a postura, dando origem às larvas. Estas passam um período de aproximadamente 10 dias no ambiente onde se alimentam principalmente dos dejetos das pulgas adultas. Depois deste período as larvas procuram abrigo em locais abaixo do nível do solo onde tranformam-se em pupas (casulos) onde as pulgas adultas se desenvolverão.

O surgimento de novas pulgas a partir das pupas é estimulado pela pressão mecânica, ou seja, a vibração da superfície provocada pelo deslocamento dos hospedeiros em locais próximos ou até mesmo o pisoteio/assentamento sobre elas.

A forma de pupa é a fase de maior resistência no ciclo biológico. As pulgas recém-formadas podem permanecer até cinquenta semanas no interior das pupas, além disso, o controle ambiental destas formas é desafiador, visto que as mesmas são impermeáveis e nenhum inseticida químico é capaz de eliminá-las.

Para um efetivo controle das pulgas é necessário manter uma frequência de tratamento tanto no ambiente quanto nos animais. No ambiente o controle pode ser realizado com a utilização de inseticidas químicos que atuam eliminando fomas adultas e larvas. Para a utilização destes produtos é necessário buscar recomendação de um médico veterinário de confiança para que o mesmo passe as devidas orientações quanto ao procedimento, pois determinados inseticidas podem ser tóxicos para pessoas e animais.

A utilização regular do aspirador de pó também é uma ferramenta bastante eficaz para o controle ambiental, desta maneira é possível realizar a remoção mecânica de ovos, larvas e até mesmo as pupas localizadas mais superficialmente.

Para que realmente se tenha efetividade no controle da infestação nos pets é imprescíndivel a integração com o controle ambiental, pois é nele que se concentra grande parte da infestação total (95%).

Atualmente, para o controle da infestação nos pets, existem diversos produtos disponíveis no mercado. É importante buscar orientação do médico veterinário pois ele é o profissional adequado para sugerir a melhor solução para seu pet e sua família.

As pulgas podem transmitir doenças aos pets e suas picadas e, além de desconforto, podem causar reações alérgicas em animais sensíveis.

Manter cães e gatos longe das pulgas é um gesto de carinho que eles com certeza eles irão agradecer!

Mariana Castelhano Diniz

Médica Veterinária e Analista Técnica da Ourofino Saúde Animal

Tags