Edema de úbere, um problema que não pode ser negligenciado

10 fev 2015

Edema de úbere, um problema que não pode ser negligenciado

Em fazendas especializadas em produção de leite é comum nos depararmos com vacas leiteiras com grandes úberes que quase tocam o chão. Para os leigos, imagina-se que isto remete á grande produção desta vaca. Na verdade sim, mas além da produção, também está relacionado a outros fatores como a elevada produção de leite, predisposição genética e principalmente: ao não cuidado com o edema (inchaço) de úbere. Desta forma, o grande volume de úbere nem sempre é favorável.

O termo edema de úbere se refere ao aumento de volume do úbere e adjacências que ocorre em decorrência do aumento do fluxo sanguíneo na região do úbere, aumentando a pressão sobre as estruturas da região, dificultando o escoamento do mesmo, promovendo um aumento de permeabilidade vascular que ocasiona o aumento de volume local. Tal alteração ocorre, principalmente, nos períodos pré e pós-parto de bovinos leiteiros, resultando em diversos prejuízos ao produtor, tais como: ruptura de ligamento suspensório do úbere, aumento da incidência de mastite devido à ordenha incompleta, comprometimento da produtividade e desconforto do animal.

O edema da glândula mamária dos animais no pré e pós-parto imediato é fisiológico (natural do animal). No entanto, vale ressaltar que, para vacas que chegam a produzir mais de 50 Kg de leite ao dia, qualquer aumento de peso desta estrutura torna-se um grande desafio. Estudos demonstram que o peso da glândula mamária, leite e líquidos retidos em decorrência do edema, supere facilmente os 100Kg. Este aumento de peso e volume dificultam a movimentação e causam grande desconforto aos animais.
Para evitar que isto aconteça, a Ourofino desenvolveu estudos que permitem a utilização de Maxicam 2% quando os primeiros sinais do edema de úbere são observados. Os resultados do estudo estão apresentados na Figura 1, que segue abaixo. 

Figura 1. Gráfico demonstrativo dos resultados do estudo de eficácia do Maxicam 2% na redução do edema de úbere. O eixo Y é representa o grau do edema de úbere e o eixo X os momentos após o tratamento. A coluna amarela representa os animais com edema de úbere, tratados com Maxicam (Grupo Tratado) e a coluna cinza representa os animais com edema de úbere, não tratados (Grupo Controle).

O principio ativo do Maxicam, o meloxicam, é muito seguro e permite a utilização mesmo em animais no pré-parto, o que até então não era possível. Com a utilização do Maxicam 2% para a redução do edema de úbere, o produtor estará garantindo o bem estar e a saúde dos seus animais, aumentando inclusive a vida útil dos mesmos.


Edema severo, com sinal de Gode positivo. Fotos: Jurandir Fagliari.

 

Marcus Rezende

Diretor Técnico Saúde Animal

Tags